terça-feira, 31 de agosto de 2010

Discordância

E o dia vai correndo , e a sua corrente leva a amargura de que o meu corpo padece. Os meus olhos, nos meus olhos algo não é de todo claro , não são transparentes, escondem e mentem...

- mentes.
- não minto.
- mentes sim.
- acaso disse alguma mentira?
- não.
- então como explicas o estranho facto de mentir sem falar.
- é o teu corpo.
- o meu corpo?
- o teu corpo mente.
- o meu corpo não fala. as mentiras são verbalizadas. logo o meu corpo não pode mentir.
- escondes sentimentos, escondes algo, algo profundo, logo mentes.
- mas não faço a mais pequena ideia de que sentimentos possa estar a esconder.
- então o caso é bem mais dramático.
- então porquê?
- porque mentes, até a ti mesma.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Suicidio

somos todos suicidas. a sociedade é composta por milhões de suicidas.

suicidio em massa.

excelente conceito.

nascemos. morremos. o entretanto é relativo. cabe nos a nós julgar, pensar, agir. fazer portanto o destino.

e isso mata-nos.

o pensamento é um conceito soberbo e retorcido. talvez seja fascinante mas não paro de pensar ( ai está a acção posta em prática ) que seja contudo, uma característica suicida.

erro fatal esse de pensar.

pensar em tudo e não pensar em nada.

conclusão: nenhuma.

talvez as minhas palavras sejam a este ponto, derrotistas.

creio que haja uma certa razão para tal. pelo menos do meu ponto de vista. e esse não é de todo o melhor.

mas é o melhor que tenho.

bem, o melhor que tenho é derrotista. contra senso.

o que faz de nós humanos, tirando o acto inusitado de pensar, será o da plena consciência da morte. e o que é que o ser humano faz perante esta dádiva?

"viver a vida ao máximo"

"carpe diem"

"amar como se não houvesse amanhã"

ou seja: morrer mais depressa.

o suicidio da vida é fascinante . não paro de sorrir ao constatar este facto. realidade psicótica esta em que vivemos. realidade em que o que nos faz mal é o que queremos mais.

em que o que nos faz mal é o que nos faz sentir algo como felicidade.

somos uma desgraça.

desgraça.

mas eu gosto de ser uma desgraça.

não perguntem porquê mas aprecio.

aprecio a vida mortalmente.

amo morrer a cada dia que passa.

sentir me mais velha e mais fraca. sentir que o pensamento se constrói a cada manhã.

adoro esse suicidio humano.

que sentimento perverso o de hoje.


quinta-feira, 26 de agosto de 2010

200

há dias em que se chega à esquina da vida e

e



e



e



é um beco sem saida.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

dia 18

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Boring

cinco palavras

atenção

amor

concentração

sentir..

a vida.

sem titulo

se algumas pessoas falarem mal de ti a outra ( apesar de quase sempre sem historia que o fundamente) a probabilidade de isso ser verdade para essa pessoa acresce para quase 80 por cento. mas se por outro lado tentarmos atenuar este quadro psicótico de histeria, a probabilidade de magoarmos os outros é quase certa.

no entanto, apesar de repetirmos incessantemente as palavras de concórdia, palavras de fim, a única coisa que apetece fazer é voltar atrás no tempo e refazer a história.


mas

é impossível.

a liberdade

a liberdade?

nao existe.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Tururu

terça-feira, 3 de agosto de 2010

não me lembro se já postei esta musica ou não mas..




e tu, sim tu, vamos te dar o nome de x. hey x, boa noite, este é um post endereçado a pessoa x sim essa mesmo. Já não sei nada de ti há coisa de ... muito tempo, e eu tenho uma estranha preocupação pelas pessoas, sim , eu sei que é estranho mas sim tenho, e preocupa-me as pessoas desaparecerem de um momento para o outro da minha vida, principalmente vá, amigos. sim amigos. é estranho e estúpido. irrita-me o bastante. ao menos vá um olá. sei lá. ou um "desaparece" ou talvez "não quero falar", sempre era melhor do que NADA.

e eu sei perfeitamente que este escarro sentimental foi demasiado infantil. mas eu sou infantil. eu sou bastante infantil.



ha ha ha ha ha ha

e sim , sim as vezes irritas me.